Como reconciliar-se com o mundo?

Estou escrevendo esse post para convidá-la para a Imersão da Primavera, cujo  tema será  Reconciliação com o Mundo. 
 
Seguindo os passos de Hannah Arendt: que nos lembra: “A compreensão é interminável e, portanto, não pode produzir resultados finais; é a maneira especificamente humana de estar vivo, porque toda pessoa necessita reconciliar-se com um mundo em que nasceu como um estranho e no qual permanecerá sempre um estranho, em sua inconfundível singularidade.”
 

Nessa Imersão iremos trabalhar  três passos  para dançarmos a  reconciliação do nosso ser com o mundo.

 

Passo 1: Comunidade;  Aprenda como criar comunidades criativas, inclusivas e não-violentas; 

 
Passo 2:  Liderança; Saiba como liderar com coragem, percepção, alegria, sabedoria e compaixão;
 
Passo 3: Autocuidado;  Descubra como estabelecer  limites saudáveis nos seus relacionamentos intergrupais, interpessoais e, com você mesma. 
 
Enquanto isso, deixo essa citação, para você  refletir:

“Ao contrário da opinião popular, a comunidade requer liderança, e requer mais liderança, não menos, do que burocracias. Uma organização hierárquica, com seus papéis, regras e relacionamentos bem definidos, é mais capaz de operar no piloto automático do que uma comunidade, com seu campo de energia caótico e imprevisível. Mas a liderança para a comunidade não é exercida por meio do poder (ou seja, por meio do uso de sanções), que é a principal ferramenta da liderança burocrática. A liderança para a comunidade requer autoridade, uma forma de poder que é concedida gratuitamente ao líder por seus seguidores. Autoridade é concedida a pessoas que são percebidas como autênticas, como autoras de suas próprias palavras e ações, em vez de proceder de acordo com algum script organizacional. Portanto, a autoridade para liderar em direção à comunidade pode surgir de qualquer pessoa em uma organização – e pode ser mais provável que venha de pessoas que não possuem poder posicional.”    ( Parker J. Palmer ). 
 
Nossa jornada neste planeta, não é uma viagem solitária e nem tão pouco sem sentido. Pergunto para você: Como criar uma comunidade acolhedora, liderar com coragem e compaixão, sem perder o senso de autocuidado? 
 
Vamos dançar, escrever e meditar sobre isso no sábado dia 18 de setembro das 9h às 13h.
O investimento é de R$347,00 (à vista ou parcelado).
 
Confirme sua participação pelo email: [email protected]  faça sua inscrição e receba suas perguntas para a sessão de tapping (TFT- acupuntura sem agulhas), e,  outros materiais adicionais para você se preparar para sua transformação nessa primavera. 
 
Abraços com esperança criativa, 
 
IdaMara
Potlach Editora & Ateliê de Arte Contemplativa
Fotografia Maikele Pasini

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.