Escrever o quê?

Escrever o quê?

Por Ida Mara Freire

Exercício contemplativo 3

Hoje deixo a menina na escola e desço para a praia. Frio e chuva. Combino comigo mesmo que esse ano eu vou frequentar o mar em todas as estações. E lá estou eu cedinho, os pescadores já estão lá o mar a observar. Fotografo o que contemplo: Pausa e Movimento. Silêncio e Solidão. Trabalho e Embarcação.

A-mar + an-dar= dançar

Para ver:

A colagem das imagens da caminhada.

Para ler:

Cecília Meireles

Apresentação

Aqui está minha vida – esta areia tão clara

Com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui está minha voz – esta concha vazia,

Sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui está minha dor – este coral quebrado,

Sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui está minha herança – este mar solitário,

Que de um lado era amor e, do outro, esquecimento.

Para Escrever:

Escrever o quê?
“Escreve inflexível e direto sobre o que te dói e verás claro entre a neblina” Escreve Ernest Hemingway.

Aqui segue a lista escrita por Ana Mafalda Damião:

Escreve sobre o que te dói e não dói.

Escreve sobre os pensamentos negativos que te ocorrem sobre ti e sobre os outros.

Escreve sobre aquilo com que sonhas.

Escreve sobre o que te assustas e paralisa.

Escreve as alegrias e as tristezas.

Escreve os acontecimentos reais e imaginários.

Escreve o que vês e ouves.

Escreve o que lês.

Escreve o que te causa perplexidade.

Escreve o que entendes e o que não entendes.

Escreve o que te encanta e desencanta.

Escreve, escreve…