# 2 PERGUNTAS PARA VOCÊ DANÇAR A SUA HISTÓRIA

# 2 PERGUNTAS PARA VOCÊ DANÇAR A SUA HISTÓRIA

Ida Mara Freire,  Desenho de  J.

“Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criámos.” Albert Einstein 

Você já parou para pensar que em vez de contar sua história você pode dança-la? Sim. Seria uma narrativa dançada, narrada de modo não-verbal, mais gestual; O dançar sua história sugere encontrar no corpo, na memória corporal, os gestos, as ações e as percepções que estão entre o movimento e o pensamento. É possível dançar quando as palavras não são suficientes. Espero que você possa perceber como o dançar nossa história pode  nos ajudar a compreender nossa existência e nos deixar à vontade no mundo.

Quem de vocês já não se sentiram estagnadas em algum momento da vida de vocês? Seja pelas circunstâncias financeiras, seja pelos relacionamentos? Ou problemas de saúde? Bloqueio criativo, intelectual ou espiritual? Eu já; e uma das formas mais notáveis da estagnação acontecer está na nossa dificuldade de lidar com a mudança. Ficamos empacadas.

Alguns anos atrás meu estilo de vida estava exigindo mudanças daquelas profundas. Eu estava com aquela sensação interior de água parada, com aquele odor sutil do apodrecimento por ausência de movimento. Comecei a me perguntar qual é o sentido da minha vida? Qual é o meu dom? E comecei a sorrir… O que o meu sorriso é? Um movimento da minha boca, um convite, uma manifestação da alegria… uma dança…

Qual seria então o propósito da minha vida? Como ofereço o meu dom para os outros? Se o meu sorriso é o meu dom, o que me faz sorrir é  fazer outras pessoas sorrirem também.   Talvez, eu deveria ser palhaço… Mas, se penso na alegria. Penso em reconciliação. Então, eu e minha filha fomos viver na África do Sul e estudar a reconciliação, manifesta num corpo nacional que dança. Que histórias aquele corpo dança? A reconciliação, dançar o perdão, voltar a sorrir depois da dor. Ou sorrir apesar da dor.

Minhas ações por menores ou maiores que sejam devem estar vinculadas com essas minhas perguntas… Levar e buscar minha filha em suas atividades artísticas tem a ver com o sentido da minha vida? Tomar a decisão de abrir mão da carreira profissional sustenta o meu propósito de vida? Sim. Levar minha filha me faz ver a dança na vida dela. Minha escolha pelo trabalho criativo permite atentar para as pessoas que eu amo e encorajar as pessoas na dança da vida.

Ao acompanhar a história de vida dançada de algumas pessoas   percebo que essas duas perguntas: Qual o sentido da vida? E qual o propósito da vida? reverberaram em suas vidas elucidando suas próprias indagações:

“Como encontrar no corpo o tempo para ser quem você é? ”

“Como criar com o efêmero?”

“ Como transformar a vida em cuidado de si?”

“Como lidar com o risco da alegria de aparecer no mundo”

“Como habitar o lugar rarefeito entre o não ver e o ser vista”

Em que momento de sua vida que seu corpo te ajudou a perceber qual o sentido e o propósito de sua vida?

Quer saber mais sobre isso agende a sua Jornada da Descoberta gratuita, pelo email: idamara@idamarafreire.com.br

Na Jornada da Descoberta você vivenciará uma breve experiência de como o seu corpo pode ajudar você sair da estagnação. Se “os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criámos”, como nos recorda Albert Einstein,   a dança pode ser o movimento para voltarmos às coisas mesmas.