Livro: um olhar sobre a criança

Por Ida Mara Freire
UM OLHAR SOBRE A CRIANÇA: Estudo exploratório sobre as experiências da criança vidente
e não-vidente de dois anos de idade.
Série Teses: NUP/CED? UFSC
Tese apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo,como parte dos requisitos para obtenção dos grau de Doutor em Ciências (Psicologia)- área de concentração PSICOLOGIA EXPERIMENTAL. SÃO PAULO 1995
Este estudo de caráter exploratório foi delineado com o intuito de discutir, a partir do referencial teórico sócio-histórico, a participação do adulto e da criança vidente e não-vidente de dois anos de idade no processo de apropriação de experiências. Participaram como sujeitos: a) quatro crianças de famílias com padrão sócio-econômico médio, meninos, sendo um deles não-visual; b) suas respectivas mães, todas com escolaridade de nível superior; c) duas educadoras de berçários, uma cursando Magistério e outra Pedagogia. Os dados foram coletados longitudinalmente, em Piracicaba – SP de agosto/91 a julho/92, e em Florianópolis – SC, de março a dezembro/93, através de registros escritos feitos pelos adultos, dos episódios de imitação imediata, diferida e experiências novas vivenciadas pela criança, complementados por entrevistas e observações. A discussão dos dados explora a participação dos adultos e da criança no processo de apropriação de experiência. Destaca desse processo a influência das concepções do adulto sobre o desenvolvimento da criança não-visual e sua relação com a construção da deficiência; enfatiza a visão com um processo aprendido, e apresenta a criança não-visual como um sujeito ativo do seu desenvolvimento. Conclui-se que o reconhecimento pelo adulto da criança como parceira no processo de desenvolvimento humano poderia implicar a proposição de intervenções comprometidas com o integral desenvolvimento da criança, independentemente desta se ou não dotada de uma distinção.
Palavras-chave: experiência, interação, adulto, criança, cegueira
ABSTRACT
The present study has an exploratory purpose of discussing, through a socio-historical approach, how adults and 2-year-old non-sighted and sighted children take part in the process of appropriation of experiences. Te subjects consists of )a four boys from middle social class, being one of them a blind child; b) their mothers who are all graduated from university and c) two educators working in a nursery school, one of them is attending “Magistério” (a high-school level course that prepares future teachers to work with children ranging from 7 to 10 years old) and the other is taking “Pedagogy” ( a university level course). The data were collected longitudinally in Piracicaba-SP, from August/91 to July/92 and, in Florianópolis-SC, from March to December/93 through reports written by adults about episodes of imitative reactions, deferred imitations and about new experiences the children had dad, supplemented by interviews and observations. The data analysis shows the following aspects: 1. how the adults and the children participated in the process of appropriation of experiences, 2. the influence of adult’s conceptions about the development of the blind child and its relation to the handicap construction, and 3. the vision as a learnt process and the blind child as an active subject in his/her own development. The study concludes that’s adult sees the child as a partner towards human development and this, in turn, can imply the proposition of interventions related to the integral child development, no matter whether or not the child with special needs.
Key words: experiences, interaction, adults, children, and blindness