Contemplar ou Mergulhar

Contemplar ou Mergulhar

Foto: Ida Mara Freire

Escrita: uma conversa dançada com o leitor

Por Ida Mara Freire

“Em virtude desse olhar as feições se fizeram rosto e, mais tarde, máscara, significação, história.” Estou aqui no Labirinto da Solidão de Octavio Paz atenta ao seu exercício de imaginação crítica dos mexicanos, homens e mulheres:

“O adolescente se assombra com o ser. E ao pasmo segue-se a reflexão: inclinado para o rio de sua consciência pergunta-se se este rosto que aflora lentamente das profundezas, deformado pela água, é o seu. A singularidade de ser – mera sensação na criança – transforma-se em problema e pergunta, em consciência inquisidora. Aos povos em transe de crescimento ocorre alguma coisa parecida. Seu ser se manifesta como interrogação: o que somos e como realizaremos isto que somos? […] Despertar para a história significa adquirir consciência da nossa singularidade, momento de repouso reflexivo antes de nos entregarmos ao fazer. […] A preocupação com o sentido das singularidades do meu país, que partilho com muitos, parecia-me há tempos supérflua e perigosa. Em vez de perguntarmo-nos a nós mesmos, não seria melhor criar, trabalhar sobre a realidade que não se entrega àquele que a contempla, mas sim àquele que é capaz de nela mergulhar? O que pode nos diferenciar do resto dos povos não é a sempre duvidosa originalidade de nosso caráter – fruto, talvez, das circunstâncias sempre mutantes –, mas sim a de nossas criações.”

Sexta-feira, após caminhar na praia, volto para casa e começo a escrever o exercício contemplativo 11. Mas, ao preparar o material fui me envolvendo numa teia de pensamentos que estou ainda suspensa, principalmente,  acerca dos temas que escrevo e, como tal escrita inspira vocês:  leitor e leitora,  a contemplarem e a  mergulharem na realidade para  criarem algo novo.  Embora, é sugerido manter uma periodicidade nas publicações, busco também,  não só produzir conteúdo, mas, além disso, estabelecer uma conversa dançada com vocês.  E uma conversa envolve tempo, silêncio, pausa da ação. Então,  ouvindo vocês e dançando com as palavras, surge o ritmo da realidade contemplada e mergulhada, e assim acontecerá a história aqui narrada.

O que  escrever depois de uma caminhada…

O que escrever depois de uma caminhada…

Exercício contemplativo 5

“A liberdade é como o movimento não se define, demonstra-se.” Girardin

Hoje, bem cedinho, exploro a trilha da Igreja São Sebastião, aqui no Campeche, converso com uma moradora que fala do desmatamento sutil; um outro morador, reconhece em mim outro ser, buscando confirmação, indaga-me: Doralice?
Um caminho faz pensar, por aquilo o que você encontra quando por ele está a passar. Percebe-se que nem tudo o que se mostra estamos interessadas a ver.

Para ver:

Amanhã sábado 14:30 nas dunas da Joaquina, Ação 6 última intervenção do projeto Corpo, Tempo e Movimento, com Diana Gilardengui e Sandra Nunes.
Participe da Convers-ação 16:30 na Casa das Máquinas na Lagoa. Venha ver Onde a Dança Acontece…

Para Escrever:

Após uma caminhada, busque recordar-se de algo que você viu, mas gostaria de não ter visto? Escreva sobre essa experiência, por dez minutos sem parar.

Para ler:

Mario Quintana | Pequeno Poema de Após Chuva
Frescor agradecido de capim molhado
Como alguém que chorou
E depois sentiu uma grande, uma quase envergonhada alegria
Por ter a vida
Continuado…

Bom final de semana. Espero ver vocês amanhã, vamos caminhar nas Dunas

Escrever o quê?

Escrever o quê?

Por Ida Mara Freire

Exercício contemplativo 3

Hoje deixo a menina na escola e desço para a praia. Frio e chuva. Combino comigo mesmo que esse ano eu vou frequentar o mar em todas as estações. E lá estou eu cedinho, os pescadores já estão lá o mar a observar. Fotografo o que contemplo: Pausa e Movimento. Silêncio e Solidão. Trabalho e Embarcação.

A-mar + an-dar= dançar

Para ver:

A colagem das imagens da caminhada.

Para ler:

Cecília Meireles

Apresentação

Aqui está minha vida – esta areia tão clara

Com desenhos de andar dedicados ao vento.

Aqui está minha voz – esta concha vazia,

Sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

Aqui está minha dor – este coral quebrado,

Sobrevivendo ao seu patético momento.

Aqui está minha herança – este mar solitário,

Que de um lado era amor e, do outro, esquecimento.

Para Escrever:

Escrever o quê?
“Escreve inflexível e direto sobre o que te dói e verás claro entre a neblina” Escreve Ernest Hemingway.

Aqui segue a lista escrita por Ana Mafalda Damião:

Escreve sobre o que te dói e não dói.

Escreve sobre os pensamentos negativos que te ocorrem sobre ti e sobre os outros.

Escreve sobre aquilo com que sonhas.

Escreve sobre o que te assustas e paralisa.

Escreve as alegrias e as tristezas.

Escreve os acontecimentos reais e imaginários.

Escreve o que vês e ouves.

Escreve o que lês.

Escreve o que te causa perplexidade.

Escreve o que entendes e o que não entendes.

Escreve o que te encanta e desencanta.

Escreve, escreve…