Artigos

Constam aqui alguns artigos sobre dança, cegueira, África do Sul,  mulheres negras, Merleau-Ponty, Buber, jornadas, dança e educação;  diferença e formação de professores, etc.,  publicados em  várias revistas científicas e culturais, nacionais e internacionais..

 

 

 

Percursos e perguntas para narrativas em dois corpos

IDA MARA FREIRE e RAQUEL PURPER, 2016

Interartive

http://interartive.org/2016/10/percursos-e-perguntas/
Reflexões sobre a Ação 1: Narrativas em dois corpos o projeto, do projeto Corpo, tempo e movimento em seis ações de dança, concebido por Sandra Meyer, Milene Duenha, Paloma Bianchi e Diana Gilardenghi.

 

Toyi-Toyi: a dança sul africana entre a memória e o perdão

Ida Mara Freire, 2016.

Revista Alegrar

http://www.alegrar.com.br/revista18/pdf/5-TOYI%20-%20IDA%20MARA%20FREIRE.pdf

Toyi-Toyi: a dança sul africana entre a memória e o perdão, de autoria de Ida Mara Freire, põe em evidência a noção de corpo nacional da África do Sul, país que dança. Para o povo africano, música e dança não são luxos, mas parte e parcela de seu modo de comunicação. Qualquer sofrimento que experimentam se faz mais real por meio da canção e da dança. Ao dançar pelas ruas o Toyi-Toyi, o povo sul-africano parece abdicar de seus projetos individuais, e, por um instante, entre um passo e outro, e nas transposições do movimento entre o corpo de um indivíduo e do outro, dá-se conta do porvir. O ensaio indaga: de onde vem essa noção de corpo nacional tão explícita nos prolegômenos da constituição da África do Sul, iniciada com o “Nós, povo da África do Sul”? Neste ensaio, algumas “corpografias” de uma memória compartilhada transparecem.

Merleau-Ponty and Buber on seeing and not seeing the Other: inclusion and exclusion in education
Alexandre Guilherme & Ida Mara Freire, 2015

http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13603116.2014.970670
Merleau-Ponty’s theory of ‘embodiment’, of the body as mediator of the world, has been very influential in philosophical and educational circles. This is to say, according to the theory of ‘embodiment’, the body is central to one’s ‘understanding’ of the world, to one’s engagement with Others, as well as to one’s self-transformation. As such, a fundamental question arises: what are the implications for the individual’s interaction with Others when one of the body’s senses, such as sight, is impaired in one way or another? In this article, we engage with this question by way of focusing on the issue of blindness and how it affects one’s interation with the Other. Following from this, we will propose that ‘dialogical education’ as conceived by Martin Buber is a powerful tool in breaching the gap that very often exists between non-sighted and sighted individuals. In so doing, we also provide a justification and an approach advancing inclusive education.
Keywords: inclusion, blindness, Merleau-Ponty, Buber

 

DANÇA E CEGUEIRA: A CRIAÇÃO NO LUGAR DA FALTA
Ida Mara Freire,  2014

https://portalseer.ufba.br/index.php/revistadanca/article/view/9622/9324

A leitura do presente texto sugere uma fenomenologia da dança ao mostrar como o corpo vivido é o sentido através do qual compreendemos o que é ser humano. Com isso, apresento a cegueira como experiência perceptiva. Proponho as Jornadas, um processo criativo para apreciação da dança, fundamentadas em uma experiência intuitiva e estética. Descrevo a experiência de composição coreográfica de uma dançarina com cegueira congênita. Explicito, através da vivência das jornadas e da experiência com a cegueira,  como o corpo, ao ser apreendido como casa da memória, revela-se como fluxo temporal.  Finalizo tecendo considerações acerca da aprendizagem e da apreciação da dança na formação de professores.

Palavras-chave

Dança; Cegueira; Fenomenologia; Corpo; Memória

Tecelãs da existência
:: Ida Mara Freire, 2014
> Revista Estudos Feministas, UFSC.
https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36545

Neste ensaio, entrelaço fios de vidas das mulheres negras que estão atadas ao fio da minha vida. Com os fios soltos das canções de Zezé Motta e dos escritos da filósofa Hannah Arendt, teço este texto-existência. Na leitura dos ensaios e poemas de Marlene Nourbese Philip, escritora afro-caribenha, me inspiro não só para resistir às amarras culturais hegemônicas,
mas também para transcendê-las, criando possibilidades de escrita que vincule a dinâmica da fala com a dinâmica da ação, compondo um texto que se movimenta ora como dança, através do espaço, ora como uma canção, ritmada pelo tempo, pois criar e dançar uma coreografia
é uma forma de fazer história. Como investiga Selma Treviños, trata-se de uma ferramenta para animar o passado ou uma “escrita” acerca de algo que já foi feito, se concordamos que cada corpo carrega sua própria história e individualidade, memória, sentimentos e emoções. Na
busca do entendimento desta minha breve existência, danço, escrevo, teço palavras com fios desfiados da flor do útero das minhas ancestrais. Vasculho minhas lembranças e, na memória corporal, decifro a dor, encontro a raiz da violência, observo o medo, destilo a alegria, enfeito a doçura, mergulho na paz e conheço a liberdade. Ler

 


Dança-educação: o corpo e o movimento no espaço do conhecimento.
:: Ida Mara Freire, 2015

 

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre a Dança-Educação, tendo como cenário uma experiência intercultural envolvendo professores e pesquisadores do Brasil e da Inglaterra. Apresentamos a dança como área de conhecimento, comparando o ensino e a formação de professores nos dois países, respectivamente. Explicitamos a relação entre criar, executar e observar como meta para apreciação da dança. Discutimos o uso do vídeo como uma estratégia para ensino de Dança-Educação. Reconhecemos seus espaços de aprendizagem como possibilidades de trocas culturais e resignificação do corpo singular e múltiplo, a partir de abordagens da dança contemporânea. Ler

 


Ação política afirmativa: Dança e Corpo no Discurso Educacional Sul-africano pós-Apartheid
:: Ida Mara Freire, 2011
> O Teatro Transcende, v. 16, n. 2 (2011)
http://dx.doi.org/10.7867/2236-6644.2011v16n2p30-42

Como parte de uma pesquisa acerca da contribuição da dança nos processos de reconciliação, o presente artigo apresenta uma leitura preliminar da dança no contexto educacional sul-africano pós-apartheid. Dois aspectos são enfatizados, primeiro, a dança como a ação política e, segundo, o corpo como comunicação. A dança como uma ação humana, mais que celebrar a diferença, afirma a alteridade do corpo que dança. Nota-se assim, a aproximação do corpo, a dança e o perdão. E a conclusão anuncia novos começos na educação. Ler


 

artigoEntre o pensar e o conhecer: um lugar para a diferença na formação de professores
:: Ida Mara Freire, 2010
> Revista Perspectiva, UFSC,  v. 32, n. 3 (2014)
https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2010v28n1p117/17843

Na tentativa de distinguir o pensar e o conhecer, o artigo apresenta um exercício de pensamento como possibilidade de atividade acadêmica na formação de professores. O texto se pauta no exame crítico de algumas noções e conceitos que gravitam em torno da igualdade de direito à educação, a saber, estigma, diferença, direitos humanos, igualdade, e igualdade de oportunidades e ação afirmativa em diálogo com alguns filósofos contemporâneos, a saber, Hannah Arendt, Jacques Derrida, John Rawls e Peter Singer. Trilha-se um caminho que parte do juízo perceptivo e chega-se ao juízo ético, que atribui a igual consideração de interesses. Ler

O feminino e o sagrado na dança: um ensaio sobre a coragem de ser
Ida Mara Freire, 2008
Fazendo Gênero

http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST22/Ida_Mara_Freire_22.pdf

Jornadas
No princípio… a quietude, o silêncio e a simplicidade; vivenciar a quietude do corpo, o silêncio da voz, e a simplicidade do pensamento. A dança como jornada existencial é o tema deste ensaio. Em conversação com Paul Tillich (1886-1965), demais autoras e as Mulheres que jornadearam sua existência em minha
companhia, descrevo esse processo criativo

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar