O QUE HÁ EM COMUM ENTRE ESCREVER, DANÇAR, NADAR E CAMINHAR?

O QUE HÁ EM COMUM ENTRE ESCREVER, DANÇAR, NADAR E CAMINHAR?

Recentemente estive no retiro nacional da Comunidade Mundial da Meditação Cristã. Na tarde de sábado o grupo foi convidado para fazer uma Caminhada Contemplativa. Entre pessoas, folhas, flores, pedras, lado a lado, leves passos eu dei. Hoje, aqui em casa, essa pratica retomei.  Enquanto  passos ritmados no jardim demarquei, notei:  a cachorra inquieta, parada e atenta, dos meus passos lentos a desconfiar. A cada passo  dado eu respiro,  interrompo a procissão das formigas a devorar velozmente a trepadeira  ‘Lágrima de Cristo’. Tal visão incomoda o coração. Respiro. Caminho. Devagar.  Observo o dançar da folhas embaladas pelo vento que chega do mar. Vem vamos brincar…

O que há em comum entre o escrever, o dançar, o nadar e o caminhar?  Indago ao caminhar. Respondo: o respirar. E assim, inspiro e acompanho, o caminho do ar no meu corpo. Lembrei da professora de natação, chamando a minha atenção, pois eu deveria aprender a distribuir o ar no corpo durante a braçada, a quantidade de ar ingerido deveria chegar até a ponta do dedão do pé para sustentar a pernada.  O que me fascina na natação, e também me desafia, é a sincronização das ações:  o respirar, o flutuar, o fluir, o desfrutar da horizontalidade.

Eis que me vem à memória a belíssima correlação entre a arte da natação, a psicanálise e o artista – que Ricardo Piglia faz  em seu livro  Formas Breves,  trecho que cito a seguir:

“Enquanto  estava escrevendo o Finnegans Wake era sua filha, Lucia Joyce, quem ele escutava com muito interesse. Lucia acabou psicótica, morreu internada numa clínica suíça em 1962. Joyce nunca quis admitir que sua filha estivesse doente e procurava instigar-la a sair, a buscar na arte um ponto de fuga. Uma das coisas que Lucia fazia era escrever. Joyce a instigava a escrever, lia seus textos, e Lucia escrevia, mas  ao mesmo tempo se colocava sempre em situações  difíceis, até  que por fim recomendaram a Joyce que fosse consultar Jung. Estavam vivendo na Suiça, e Jung, que escrevera um texto sobre o Ulysses e portanto sabia muito bem quem era Joyce, tinha ali sua clínica. Joyce então  foi vê-lo, para lhe expor o dilema da filha, e disse a Jung: “Aqui estão os textos que ela escreve, e o que ela  escreve é o mesmo que eu escrevo”,  porque ele  estava escrevendo o Finnegans Wake, um texto totalmente psicótico, se o olharmos  dessa perspectiva: inteiramente fragmentado, onírico, atravessado pela impossibilidade de construir com a linguagem outra coisa que não seja a dispersão. Assim, Joyce disse a Jung que sua filha escrevia a mesma coisa que ele, e Jung lhe respondeu: ‘Mas onde você nada, ela se afoga’. É a melhor definição que conheço entre um artista e… outra coisa, que não vou chamar de outro modo que não esse. De fato, a psicanálise e a literatura  têm muito a ver  com a natação. A psicanálise é um certo sentido  uma arte da natação, uma arte de manter à tona no mar da linguagem pessoas que estão sempre fazendo força para afundar. E um artista é aquele  que nunca sabe se vai poder nadar: pôde nadar antes, mas não sabe se vai poder nadar da próxima vez que entrar na linguagem.”

O que há em comum entre o escrever, o dançar, o nadar e o caminhar? Indago ao escrever. Respondo: o contemplar. Mas, isso já é assunto para outro post…

Vamos apreciar o belo poema da Cecília Meirelle intitulado ‘Inscrição’

Sou entre flor e nuvem,
estrela e mar. 
Por que havemos de ser unicamente humanos, limitados em chorar?
Não encontro caminhos
fáceis de andar.
Meu rosto vário desorienta as firmes pedras que não sabem de água e de ar.
E por isso levito.
É bom deixar
um pouco de ternura e encanto indiferente de herança, em cada lugar.
Rastro de flor e estrela,
nuvem e mar.
Meu destino é mais longe e meu passo mais rápido: a sombra é que vai devagar.

E para você o que há em comum entre o escrever, o dançar, o nadar e o caminhar?

Dance  e  Escreva suas Memórias Corporais

Dance e Escreva suas Memórias Corporais

Curso Regular de Dança e Escrita Criativa, local:  “Estação Corpo”

Esse curso tem a duração de quatro estações e é estruturado para ensinar você a reconhecer os padrões  de movimento e de pensamento que bloqueiam a sua liberdade de expressão.

Colhendo os frutos do verão, eu te  encorajarei na descoberta dos padrões de movimento que limitam seu modo de se expressar no mundo.

Durante o outono nós vamos identificar juntas, quais seriam suas perguntas existenciais, e ao escreva-las você terá mais clareza mental para reconhecer seus padrões de pensamento.

Nos meses outonais vamos esboçar seu diário temático que te auxiliará  no registro de suas memórias corporais, isso poderá ser o primeiro passo para você se reconciliar com o seu passado.

No inverno irei te apoiar oferecendo uma sequência de exercícios de desenhos vinculados  com a caixa de palavras e a dança, de modo que você possa  expressar suas emoções, mudar e ampliar seu vocabulário de movimento.

Com  a chegada da  primavera nós vamos aprofundar a relação  com o outro, com a proposição exercícios  de percepção que te ajudem a transformar sentimentos de vergonha, timidez; te orientarei em como desvelar pela escrita as possibilidades do ver e os mistérios de ser vista.

Nada como se preparar para o verão  compreendendo  suas memórias corporais, pronta para cultivar a liberdade de escolha; E disposta para aprender a Dançar sua História…

Curso Ministrado por Ida Mara Freire, dançarina e escritora; Pós-doutorado em Dança, University of Cape Town, África do Sul; Doutorado em Psicologia, USP, Professora Aposentada da UFSC, Diretora do Potlach Editora e Ateliê de Arte Contemplativa. Autora dos e-books: Jornadas Inacabadas e To see or not to see: dance as a perceptive journey. 

Inscreva-se gratuitamente para aula aberta na próxima quarta-feira dia 28/02/2018 das 10:30 às 12h e receba informações detalhadas acerca do curso.

Envie-me um e-mail  falando brevemente sobre seu interesse de fazer a Aula Aberta do Curso Dance e Escreva Suas Memórias Corporais

E-mail: idamara@idamarafreire-com-br.umbler.net

Local: “Estação Corpo” http://www.estacaocorpo.com.br/localizacao.html

 

Conversas com a Criança que Vive em Mim

Conversas com a Criança que Vive em Mim

Quem de vocês já não ficaram paralisadas numa cama, se perguntando como que chegaram ali? Eu já. E foi numa situação dessa que pela primeira vez eu tive um encontro e uma conversa de igual para igual com minha criança interior. E desde então ela tem voz ativa nas decisões que tomo pela vida afora.

Na primavera de 1990, eu tive uma anemia aguda, que me fez ficar na cama por umas semanas. Eu estava morando nas comunidades L’Arche na bela cidade de Canterbury no sul da Inglaterra. Como vocês sabem eu sou do movimento, e estar paralisada, doente em uma cama, não faz muito parte do meu show. Mas, lá estava eu olhando aquela paissagem um dia nublado, e o verde novo das folhas anunciava a chegada da primavera, olhar através do vidro, me trouxe a lembrança um episódio que vivi quando eu tinha aproximadamente 6 anos de idade.

Um dia após a escola dominical um casal que não tinha filhos se aproximou da minha mãe e perguntou se a mãe cederia um de nós para fazer companhia para eles. Eu realmente estava cansada da tirania dos meus irmãos e irmãs e sem pensar muito, e para a surpresa da minha mãe, já me prontifiquei, adorando a ideia de ser filha única. Mas, lá estava eu olhando a janela , escutando a água correndo do riacho, e logo correndo dos meus olhos também. E a senhora, veio e me perguntou o que eu queria: Eu respondi eu quero ir para minha casa.

 Durante a minha formação, ao trabalhar com pessoas com necessidades especiais, a psicologia e a psicanálise são lentes muito utilizadas para perceber a realidade e as pessoas. Há uma técnica que se chama imaginação ativa aplicada pelo psicanalista Carl Gustav Jung, que se refere a interação com conteúdos do inconscientes, por exemplo,  quando uma memória é invocada, você acessa parte do seu inconsciente perguntando: O que essa lembrança tem a dizer para o momento atual da sua vida?

E foi isso que eu fiz. Perguntei para aquela menina de seis anos o que ela queria: e ela falou: Eu quero voltar para casa. Eu respondi que eu já era uma pessoa adulta e quem decidia a hora de voltar para casa era esse eu adulto, e não ela minha criança interior. Então, ela me perguntou? Bem, quem você acha que está sustentando você aqui na Inglaterra? Quem faz você cantar, sorrir, se divertir… pois, ela continua, sou eu, sua criança interior, para te manter aqui você me ouve, mas quando digo: quero voltar! Você não quer me ouvir…

Pensei… um mês depois tudo florido, flores com cores maravilhosas, chegou a hora da renovação do contrato. O país em crise,   Era de Collor de Mello… inflação nas alturas… sem previsão de emprego… sem dinheiro… Eu ouvi minha criança e resolvi voltar… colocando algumas condições… se em 18 meses eu não tivesse o padrão de vida que eu tinha na Inglaterra, eu sairia do país para não voltar. Bem… em menos de 6 meses eu já estava bem instalada, com emprego, fazendo o doutorado.

Como isso reverbera na pessoa que sou hoje: reconheço que há parte da minha história de vida que tempos em tempos vem me visitar, aparece em sonho, na memória, numa lembrança, num data, num objeto, numa fotografia. Quando chamo ela para conversar… eu falo… ela fala… e nesse diálogo… reconcílio com aspectos da minha psique   e vivo em paz comigo mesmo, e compreendo mais os outros.

Em que momento de sua vida que você se viu paralisada e teve uma conversa interior consigo mesma? O que aconteceu?

 

Bola de Meia, Bola de Gude
Milton Nascimento
Há um menino, há um moleque
Orando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão
Há um passado no meu presente
O sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assombra
O menino me dá a mão
Ele fala de coisas bonitas que
Eu acredito que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito
Caráter, bondade, alegria e amor
Pois não posso, não devo
Não quero viver como toda essa gente insiste em viver
Não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal
Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me
Alcança o menino me dá a mão

Compositores: Fernando Brant / Milton Nascimento
Letra de Bola de Meia, Bola de Gude © EMI Music Publishing