Resgate sua Alegria de Viver

Resgate sua Alegria de Viver

“Invento para me conhecer.”  Manuel de Barros

Você se auto-avalia e  se percebe como uma profissional  dedicada,  bem-sucedida em seu trabalho e goza de uma certa estabilidade financeira. No entanto, você  se sente muitas vezes sobrecarregada ou estressada,  e se perguntando o que está além de ter coisas para você? E se  não  está na hora prestar atenção em ser você  e resgatar sua alegria de viver, a clareza mental e cultivar a paz interior. 

Então venha, eu encorajo você que necessita  dar um tempo para si mesma, atentar para o seu corpo,  ouvir mais o seu coração e, equilibrar-se  mental,  espiritual e fisicamente. 

“Mude sua história e vivencie o poder de sua alegria”

Receba inspiração, apoio e orientação através de um Processo Criativo de 10 Jornadas e conheça mais quem você  é,  desfrute da  alegria,  plenitude de vida e liberdade de expressão.

Agende uma sessão gratuita de 30 minutos, envia-me um email: idamara@idamarafreire.com.br

A Estrada da Alegria

“Faz-nos brilhar, Senhor, a estrada da alegria.

No simples, no próximo, no escondido da vida ajuda-nos a ouvir a pequena  sinfonia e abrir, com solenidade, para ela as portas indecisas do tempo que corre.

Só quem saboreia as pequenas alegrias dá-se verdadeiramente conta das grandes.

Só que jubila com a alegria dos outros percebe que ela é, em cada um de nós, uma onda  puríssima que se expande.

Ajuda-nos a inscrever a alegria  como tarefa e, ao mesmo tempo, a mantermo-nos disponíveis para o modo surpreendente e gratuito da sua vinda.”

[José Tolentino Mendonça – Um Deus que Dança]

Agende uma sessão gratuita de 30 minutos, envia-me um email: idamara@idamarafreire.com.br

Devagar ao caminhar

Devagar ao caminhar

 

Na caminhada contemplativa
O interesse não está
Na distância percorrida
Mas na presença e inteireza
Em cada passo dado

Como o pescador
Vê na isca
O peixe fisgado

No passo dado
Vejo na água
Minha sombra fisgada
Na ponta do anzol
Do meu olhar
Ancorado no chão
Fluido

Longe iluminado
Pelo sol
Está o barco
De pesca

Seria o sol
Uma isca
A fisgar a dor
Do solitário
Pescador?

 

Pergunto para vocês hoje,  o seu interesse está na distância  percorrida ou estar presente e inteira em cada passo dado?

“Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais,”  canta Amir  Sater,  nos inspirando a  contemplar cada passo dado nessa vida.

Hoje me sinto mais forte
Mais feliz, quem sabe
Só levo a certeza
De que muito pouco sei
Ou nada sei

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
E ir tocando em frente

Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora

Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Tocando Em Frente
Almir Sater

Um dia, um passo… Um dia, uma página.

Um dia, um passo… Um dia, uma página.

Ela caminha na praia, após deixar a filha na escola. Uma manhã outonal. A areia fofa convida para ser sentida de corpo inteiro. Ela tira as sandálias ao se aproximar da água.

Molha os pés renova-se no mesmo instante.

O sol, o mar, a ilha, a montanha, as dunas, realidade pura a sustentar seu lento caminhar.

É assim que ela percebe que está viva.
O corpo está mais leve. Avalia.

Nota a dificuldade de caminhar no ritmo lento ao se perceber diante da vastidão da praia,

o barulho das ondas,

a memória dos passos ligeiros já apagados em seu vago pensar…

Desacelera.

Busca apoiar o olhar.

No pássaro, na concha, na rocha em alto mar.

O passo se afunda, a medida que água inunda o caminhar e os pés ficam sem base firme para o corpo equilibrar.

Um novo mês, um novo ano, um novo projeto: Um dia, uma página.

Qual será o seu próximo passo?

O gosto dos caminhos recomeçados

“O que te peço, Senhor, é a graça de ser.

Não te peço sapatos, peço-te caminhos.

O gosto dos caminhos recomeçados, com suas surpresas e suas mudanças.

Não te peço coisas para segurar, mas que as minhas mãos vazias se entusiasmem na construção da vida.

Não te peço que pares o tempo na minha imagem predileta, mas que ensines meus olhos a encarar cada tempo como uma nova oportunidade.

Afasta de mim as palavras que servem apenas para evocar cansaços, desânimos, distâncias.

Que eu não pense saber já tudo acerca de mim e dos outros.

Mesmo quando não posso ou quando não tenho, sei que posso ser, ser simplesmente.

É isso que te peço, Senhor: a graça de ser de novo.”

[José Tolentino Mendonça, Um Deus que Dança]