Série Coração  Compreensivo – Medite, Reflita e Escreva  [1/21] A Sabedoria da Paz

Série Coração Compreensivo – Medite, Reflita e Escreva [1/21] A Sabedoria da Paz

Aprenda a cultivar um coração compreensivo em tempos de incertezas

Durante   21  dias  estarei postando aqui  breves  reflexões, meditações e orações para nos inspirarmos com criatividade e esperança e contribuirmos com um mundo melhor para a humanidade.

“Dá, Senhor, à nossa vida a sabedoria da paz. Que o nosso coração não naufrague na lógica  de tanta violência disseminada ao nosso redor. Que os sentimentos  de dor ou de despeito não sufoquem a necessidade dos gestos de reconciliação, a urgência de uma palavra amável que rompa as paredes do silêncio, o reencontro dos olhares que se desviam. Dá-nos a força de insinuar no inverno gelado em que, por vezes vivemos, o ramo verde, a inesperada flor, a claridade que é esta irreprimível e pascal vontade de recomeçar.”

[José Tolentino Mendonça, Um Deus que dança: intinerários para a oração]

 

Medite por Trinta Minutos
Lembre-se: Sente-se. Sente-se imóvel e, com a coluna ereta. Feche levemente os olhos. Sente-se relaxada(o), mas, atenta(o). Em silêncio, interiormente, comece a repetir uma única palavra. Recomendamos a palavra-oração “Maranatha”. Recite-a em quatro silabas de igual duração. Ouça-a à medida que a pronuncia, suavemente mas continuamente. Não pense, nem imagine nada, nem de ordem espiritual, nem de qualquer outra ordem. Pensamentos e imagens provavelmente afluirão, mas, deixe-os passar. Simplesmente, continue a voltar sua atenção, com humildade e simplicidade, à fiel repetição de sua palavra, do início ao fim de sua meditação.

 

Professoras  que transformam o coração

Professoras que transformam o coração

Hoje  estamos a comemorar o dia do professor.

E quero celebrar com vocês que compartilham  comigo essa profissão.  São muitos os desafios, contradições, crescimento constante… experiências que me trouxeram até  aqui.

Nessa semana estou fazendo o lançamento do meu primeiro livro de ficção: “A duração da dor”  será na Biblioteca Comunitária Barca dos Livros” Quinta-feira dia 18 das 19hs às 20hs. Quanto aprendizado da capa ao miolo. Vocês fazem parte desse projeto. E aqui está meu convite e meu agradecimento. Venham celebrar comigo esse momento!

Também estou prestando uma homenagem para  três mulheres, fonte de inspiração no meu fazer docente.  Marianne Williamson que com seus ensinamentos acerca do Retorno ao Amor há três décadas têm me mostrado como a meditação e a oração podem sim, transformar o mundo, a começar pelo meu coração.

Hannah Arendt, Mestre da experiência do pensamento,   me inspira a cultivar  um coração compreensivo, equilibrar razão e emoção, mente e coração.

Rute, nome de livro e personagem bíblico; quanto se aprende ao estudar as suas escolhas, que demonstram que a amizade, a fidelidade, a generosidade entre as mulheres é um caminho abençoado por YAHWEH.

Foi ao meditar, ler, e refletir com elas, e   diante das nuvens  de  tempos incertos que se aproximam, ocorre-me compartilhar com vocês algumas lições que essas mestres  ensinam acerca de  como cultivar um coração compreensivo em tempos de incertezas.

Caso vocês tenham interesse,  estou dispondo o primeiro podcast de 21 episódios para cultivarmos um coração compreensivo.

Os posts relacionados ao tema que acompanham os podcasts poderão ser encontrados aqui no blog pela tag coração compreensivo   e a #meditereflitaescreva

Estou feliz de partilhar essa Jornada do saber com você. Me digam, quais são as mulheres que ensinam e inspiram vocês na transformação diária do mundo e dos seus corações?

Enviam e-mail para nós suas respostas e confirmem seus interesses de continuarem a  receber mais informações sobre a série Coração Compreensivo + recebam  um bônus surpresa.

Inscrevam-se pelo e-mail:

idamara@idamarafreire.com.br

#3 Segredos para Transformar suas Memórias Corporais

#3 Segredos para Transformar suas Memórias Corporais

 

Você já parou para pensar como seria você olhar para uma cicatriz e falar eu não sou Pablo Neruda mas confesso que vivi! Como posso transformar minhas memórias corporais? Quem de vocês tem alguma cicatriz que incomoda vocês? Eu tenho várias, uma bem recente até… mas essa eu vou falar outro dia. E vocês vão saber porque. Hoje eu quero falar de uma cicatriz no meu pé direito. Eu não tinha um ano de idade, quando queimei meu pé engatinhando no quintal.
Como conta minha mãe… eu engatinhava no quintal perto do fogão à lenha que minha mãe fervia roupa. Eu ia atrás do meus irmãos e irmãs. Minha mãe conta, que eu chorava de dor e ninguém sabia o motivo. Só foram descobrir quando minha mãe foi me dar banho. Com isso eu demorei para caminhar sozinha, tinha medo de me queimar novamente. Entre os seis irmãos, fui a filha que mais demorou para caminhar, fui fazer isso com dois anos de idade.

Essa historia veio à memória quando recentemente, participei de uma cerimônia de inspiração indígena de andar sobre as brasas. Foi durante a minha formação em Liderança para Mulheres com a Mentora Sage Lavine,  em Scott  Valley, Califórnia, E.U. –  que me deparei olhando para o fogo  e me perguntando quais seriam as minhas reais motivações  para arriscar-me andar sobre as brasas, a resposta veio silenciosa como um pensamento é: Você já andou sobre as brasas!

Assustei-me com essa lembrança, e  a cicatriz no meu pé direito, tomou nova dimensão. Sim, já conheço o poder do fogo em meus pés. E assim, decidi caminhar, a primeira vez, fiz o trajeto lidando com o medo infantil que ainda havia em mim. Em seguida, andei de mãos dadas com uma amiga, que precisava de coragem para fazer a travessia .  Na terceira vez, caminhei com minhas três amigas colaboradoras. Por fim, uma última vez, caminhei sobre as brasas  com a palavra  compromisso. Como isso reverbera na pessoa que sou hoje: Eu aprendo a lidar com o medo, posso  em alguns  momentos  usar o medo como guia, mas, escolho o amor. Escutar a minha criança interior e oferecer minhas mãos e perguntar para ela: Vamos? Sim, o meu compromisso com o amor deve ser maior que o meu medo.

Quais seriam os #3 segredos?  Primeiro, ao  contar essa história, foi me exigido
a clareza mental, aliada à um coração compreensivo.   Segundo, o caminhar sobre  o fogo me proporcionou liberdade de expressão, passar quatro vezes  pelas brasas, já me fez  dançar essa história com criatividade, presença  e alegria. Terceiro, ao compartilhar essa história com vocês,  favorecida pela confiança  da escuta permite me reconciliar com meu passado dolorido.
E estou aqui para oferecer para vocês um processo criativo para vocês transformarem as memórias corporais de vocês e vivenciar o poder da alegria. Esse processo  são as Jornadas da Primavera, assunto do próximo post.

Em que momento de sua vida que você transformou uma memória corporal?