“Será que é de éter a vida  da atriz?”

“Será que é de éter a vida da atriz?”

foto de Cristiano Prim

 

A Companhia de Dança Lápis de Seda e Cláudia Passos voltam a apresentar em Florianópolis, no palco do Teatro Ademir Rosa, em 24 e 25 de janeiro, às 21h, a montagem Será que É de Éter?

A partir do universo criativo de Chico Buarque, mestre na arte de enaltecer o homem comum, o espetáculo contrapõe a imagem de uma multidão de faces anônimas e individualidades perdidas. Na jornada da Lápis de Seda, a permanente busca das diferenças. Em vez da negação, a evidência; em vez da ocultação, a valorização. Ao invés das semelhanças, a descoberta de outros lugares de aceitação, a crença de formas singulares de convivência coletiva, o desejo de pertencimento e de encontro com o sem igual. Criação coreográfica colaborativa, a partir de movimentações trazidas pelos bailarinos, a partilha de vida e cotidiano carregados de inquietações e poesia, a revelação de como se enquadram anonimamente na multidão e se libertam das amarras por meio da dança. Com expressivos músicos e a interpretação de Cláudia Passos, a experiência quer a potência daquilo que está além de cada um, ou seja, uma possível expansão de novos significados.

O projeto que propõe reflexões sobre dança contemporânea, memória e diferença. A partir de um corpo visível na representação de si próprio, o grupo opera uma construção discursiva e social sobre a arte do movimento e da música. Com a complexidade de um espetáculo com música ao vivo, Será que É de Éter? aproxima música, dança contemporânea e o desejo de homenagear o consagrado cantor e compositor Chico Buarque. Sob a direção coreográfica de Ana Luiza Ciscato e a direção musical de Luiz Gustavo Zago, a intérprete e os seis instrumentistas se apresentam em meio aos conceitos “cênicos” da sound e light designer Hedra Rockenbach.

O projeto, que contempla criação e circulação da montagem, tem o incentivo do Ministério da Cultura via Lei Rouanet e o patrocínio da empresa Cateno. E conta com o apoio do governo do Estado de Santa Catarina, através da Secretaria de Estado do Turismo, Cultura e Esporte e da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), da Prefeitura Municipal de Florianópolis através da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin, da Fecoagro e Projeta Planejamento e Marketing.

A companhia
Corpo, diferença, política de inclusão, independência artística e construção identitária são palavras-chave para a Companhia de Dança Lápis de Seda. Idealizada pelo Baobah Novas Formas de Inteligência em 2014, em Florianópolis (SC), aposta na valorização das diferenças individuais.
Sob a coordenação da diretora artística Ana Luiza Ciscato, Lápis de Seda reúne dez bailarinos com diferentes capacidades e formações. Jovens e adultos, 60% são considerados com deficiência intelectual e/ou motora e 40% sem deficiência. A faixa etária se situa entre 20 e 50 anos.

Equipe técnica
Será que É de Éter? (1h)
Direção geral e coreografia: Ana Luiza Ciscato
Direção artístico musical e intérprete: Cláudia Passos
Direção musical e arranjos: Luiz Gustavo Zago
Coordenação geral: Arte Movimenta
Produção executiva: Neiva Ortega
Bailarinos: Ana Flavia Piovezana, Aroldo Gaspar, Deivid Velho, Fabiana Marques, Gabriel Figueira, João Paulo Marques, Maura Marques, Paulo Soares, Ramon Noro, Roberta Oliveira e Silvia Gevaerd (bailarina estagiária)
Banda: Luiz Gustavo Zago (piano), Iva Giracca (violino), Felipe Arthur Moritz (sax, flauta), Dudu Pimentel (violão e guitarra), Leandro Fortes (violão e bandolim) e Alexandre Damaria (percussão)
Iluminação/cenotécnico: Hedra Rockenbach
Figurinista: Gabriela Bosco Dutra
Sonorização: Juarez Mendonça Jr.
Fotografia e vídeo: Cristiano Prim
Projeto gráfico e criação de máscaras: Ramon Noro
Assessoria de imprensa: Néri Pedroso

Serviço Florianópolis
O quê: Será que É de Éter – Cia. Lápis de Seda – Claudia Passos e Convidados
Quando: 24 e 25.1.2018, 21h
Onde: Teatro Ademir Rosa, av. Gov. Irineu Bornhausen, 5.600, bairro Agronômica, Florianópolis, tel.: (48) 3664-2685 (bilheteria)
Quanto: R$ 20 / R$ 10 (meia)

Saiba mais:http://www.lapisdeseda.com/ Face: Cia Lápis de Seda

Fonte: Néri Pedroso.

Quem te acompanha no Natal?

Quem te acompanha no Natal?

“Na manjedoura estava calmo e bom…”  Leio Clarice Lispector aqui na Casa de Retiros, no morro das pedras.  Um final de semana para dedicar-me à escrita,  em silêncio estou. Durante as refeições, encontro-me com as pessoas integrantes de dois grupos que estão na casa: um em silêncio, outro não.

“Era tardinha, ainda não se via a estrela…” Leio Clarice. É bom saber quem te acompanha no silêncio e no espaço sagrado.

“Por enquanto o nascimento era só  de família. Os outros sentiam mas ninguém via. Na tarde já escurecida, na palha cor de ouro, tenro como um cordeiro refulgia o menino, tenro como o nosso filho. Bem de perto, uma cara de boi e outra de jumento olhavam, e esquentavam o ar com o hálito do corpo. Era depois do parto e tudo úmido repousava, tudo úmido respirava. Maria descansava o corpo cansado, sua tarefa no mundo seria a de cumprir o seu destino e ela agora repousava e olhava. José, de longas barbas, meditava; seu destino, que era o de entender, se realizava. O destino da criança era o de nascer. E os bichos ali se fazia e refazia: o de amar sem saber que amavam. A inocência dos meninos, esta a doçura dos brutos compreendia. E antes dos reis, presenteavam o nascido com o que possuíam: o olhar grande que eles têm e a tepidez do ventre que eles são.”

Leio Clarice,  atento como ela recorda, dá cordas ao coração ao narrar o nascimento de Jesus Cristo. Nessa semana, ao fazer minha resenha do módulo teologia sistemática, leio em Paul Tillich que a análise da situação humana emprega materiais disponibilizados  pela auto-interpretação criativa do ser humano em todos os âmbitos da cultura: na filosofia, na poesia, no drama, no romance, na psicoterapia, na sociologia. O teólogo organiza esses materiais em relação com a resposta  dada pela mensagem cristã às perguntas implícitas  na existência  humana.

“A humanidade é filha de Cristo homem, mas as crianças, os brutos e os amantes são filhos daquele instante na manjedoura. Como são filhos de menino, e seus erros são iluminados: a marca do cordeiro é o seu destino. Eles se reconhecem por uma palidez na testa, como a de uma estrela de tarde, um cheiro de palha e terra, uma paciência de infante…”

Leio Clarice, estamos em dezembro de 2017. Lembro-me com gratidão dos encontros no silêncio, das viagens, das pessoas e suas jornadas, das conversas dançadas entre o ver e o não ver, a mudança da minha mãe, a crescente autonomia da minha filha, o convívio familiar,  a redescoberta da fluidez das águas, o andar de mãos dadas, as novas e as eternas amizades… as palavras, a escrita, o jardim, o cheiro  do alecrim.

“Também as crianças, os pobres de espírito e os que se amam são recusados nas hospedarias. Um menino, porém, é o seu pastor e nada lhes faltará. Há séculos eles se escondem em mistérios e estábulos onde pelos séculos repetem o instante do nascimento: a alegria dos homens.”

Na manjedoura estava calmo e bom…

Quem tem acompanha no silêncio e no espaço sagrado?

Jornadas Inacabadas

Jornadas Inacabadas

Apresentação do ebook 

Penso que nossa existência é uma jornada a ser dançada. Uma dança que se compõe com o outro. Por muito tempo em minha vida nutri  a ideia que a vida era uma batalha a ser travada, e estava aqui para lutar. Lutei. Mas, um momento de dor e de perda fez-me perceber que estou aqui para viver plenamente e que a vida não é só lutar consigo mesma e com o outro, mas é também celebrar a coexistência.

Esse livro é fruto de várias pesquisas e experiências acadêmicas.   Durante  o curso de doutorado,  ao observar a transição do período sensório-motor para inteligência representativa de crianças  com e sem cegueira, minha experiência como dançarina  possibilitou perceber  com mais nitidez o papel do corpo na linguagem  oral e na experiência do pensamento.  No transcorrer da minha trajetória como professora no curso de Pedagogia,  identifiquei  como a dança é fundamental para o processo de inclusão da crianças com necessidades especiais.   A participação de intercâmbios entre professores da brasileiros e ingleses,  oportunizou acompanhar vários projetos de ensino de dança nas escolas públicas inglesas, mostrando como  crianças e  jovens podem aprender  a dançar no contexto escolar e como seus professores podem ensiná-las. Com essa motivação comecei a ensinar dança para jovens e adultos com cegueira envolvendo alunas do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Santa Catarina e  estudantes da Associação Catarinense de Integração do Cego. A  pesquisa de vários métodos de dança moderna e contemporânea que possibilita uma pessoa que não vê apreciar a dança, levou-me a criação das “Jornadas”, um processo criativo de experiências de ensino e apreciação  de dança, tendo como foco a história de vida da pessoa que dança. Dançar a nossa história pode restaurar nosso equilíbrio corporal, mental e espiritual. É o que constatei encorajando muitas pessoas durante as “Jornadas”.

Os ensaios selecionados para a edição desse livro, como vocês irão notar, são reverberações de diferentes fases desse processo criativo. Ao compreender que a vida é dança,  os quatros ensaios aqui apresentados buscam descrever como as experiências com o outro  desvelam  a dança como uma jornada inacabada.  Que a leitura  desse livro seja uma jornada no invisível e no silêncio que te aproxima  de si mesmo e do outro na dança da vida.

 

Sumário 
 

Dançar

Além do belo, o movimento

Jornadas

A condição dos olhos:  a experiência estética

Escrituras inacabadas:

Que sei eu?

 

Agradecimentos 

A ACIC – Associação Catarinense de Integração do Cego e  dançarinos e dançarinas não-visuais  do Potlach  Grupo de Dança   expresso aqui o meu apreço. Às alunas do curso de Pedagogia e da Disciplina Dança no Espaço Escolar e as participantes do Projeto de Extensão Jornadas sou grata pela confiança e a disponibilidade.

Ao Prof. Dr. Marcos José Müller sou grata pelas inspiradas aulas acerca da Fenomenologia  de Maurice Merleau-Ponty. À Márcia Lerinna por  me fazer “voltar as coisas mesmas”. À Jaqueline Romão Ferreira pela escuta dedicada dos meus sonhos. À Marisa Naspolini  testemunha  ocular de processos criativos.  À Maria Aparecida Leite  por  acreditar nas Jornadas. Diana Guilardengui, Sandra Meyer, Jussara Xavier, Vera Torres, Marta César agradeço pelo companheirismo na dança.

Aos integrantes do Alteritas  – Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Diferença, Arte e Educação,  Ana Cristina Zimmermann, Rodrigo Rosso Marques, Valeska Figueiredo, Sandra Adão, Maria Aparecida Clemêncio, Gardia Claudia Venturi,  Rodrigo Gonçalves, Mariene  Perobelli, Gilmar Azeredo, Rogaciano Rodrigues,  agradeço a interlocução. À Fabiana Grassi Mayca  por entrar de corpo e alma na dança da vida. À Fernanda Albertina Garcia  pelas horas  extras dedicadas a preencher os formulários dos editais em busca de apoio financeiro para atividades do Alteritas e do Potlach. À Amanda Massucci Batista cuja alegria  toca os nossos corações.

Aos colegas do Departamento Estudos Especializados em Educação expresso aqui minha gratidão pela credibilidade em meus projetos criativos. Às Professoras  Terezinha Cardoso, Vânia Beatriz Monteiro,  Olga Celestinas Duran pela conversa nossa de cada dia.Aos colegas e estudantes,   do Programa de Pós-Graduação em Educação, ao Centro de Ciências da Educação e a Universidade Federal de Santa Catarina sou grata pelas condições de trabalho oferecidas, ao apoio na participação em eventos e pelo espaço de interlocução.

À CAPES pelo apoio recebido para participação de viagem de estudo  e participação de eventos no exterior. À comunidade universitária da York University – Toronto pela acolhida, e os excelentes serviços bibliotecários. À FAPESC pelo apoio financeiro concedido para realização deste projeto, bem como pela bolsa de Mérito Acadêmico concedida para a discente Fernanda Albertina Garcia. Ao Programa PIBIC, UFSC/CNPQ  agradeço a bolsa concedida à discente Amanda Massucci Batista.