Conversa Dançada  no evento “traduzIr”

Conversa Dançada no evento “traduzIr”

Quarta-feira as 10hs
Local: Básico –
Evento: TraduzIr –
Promovido por: Estudantes do Curso de Pós-Graduação em Tradução da UFSC
Informações: http://jornadatraduzir.wix.com/2016

Conversa Dançada:
Tecelãs da Existência: um ensaio acerca da liberdade
Por Ida Mara Freire
Sinopse
Nesse ensaio entrelaço fios de vidas das mulheres negras que estão atadas ao fio da minha vida. Com os fios soltos das canções de Zezé Motta e dos escritos da filósofa Hannah Arendt teço este texto-existência. Na leitura dos ensaios e poemas de Marlene NourbeSe Philip, escritora afro-caribenha, me inspiro não só para resistir as amarras culturais hegemônicas, mas também transcendê-las, criando possibilidades de escrita que vincule a dinâmica da fala com a dinâmica da ação, compor um texto que se movimenta ora como dança através do espaço ora como uma canção, ritmada pelo tempo. Pois, criar e dançar uma coreografia é uma forma de fazer história. Como investiga Selma Treviños trata-se de uma ferramenta para animar o passado ou uma “escrita” acerca de algo que já foi feito, se concordamos que cada corpo carrega sua própria história, individualidade, memória, sentimentos e emoções. Na busca do entendimento desta minha breve existência danço, escrevo, teço palavras com fios desfiados da flor do útero das minhas ancestrais. Vasculho minhas lembranças e na memória corporal decifro a dor, encontro a raiz da violência, observo o medo, destilo a alegria, enfeito a doçura, mergulho na paz e conheço a liberdade.
Fotografia: Marina Moros
Criação: Ida Mara Freire
Orientação Coreográfica: Diana Gilardenghi
Orientação Musical: Alberto Heller
Texto Escrito: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36545

Escrita Descritiva

Escrita Descritiva

Por Ida Mara Freire
Exercício contemplativo:

Uma escrita descritiva contém três elementos:
os sentidos, as palavras, e uma estória.

Para ver:
A foto – herança familiar.

Para ler:
Paulo Leminski

relógio parado
o ouvido ouve
o tic tac passado

Para escrever:
Um exercício de sinestesia proposto por Rebecca McClanahan.
Descreva um objeto, lugar, pessoa ou ideia usando um sentido para sugerir outro. Por exemplo, qual é a cor do silêncio no seu quarto? Qual é o cheiro que exala do medo?

Mostra de Cinema Sul Africano

Mostra de Cinema Sul Africano

Por Ida Mara Freire
Participar como mediadora na Mostra de Cinema Sul Africana, com curadoria de Adriana Miranda, promovida pelo Museu da Imagem e do Som, foi uma experiência que fez reconhecer como um ano passado na África do Sul alterou minha existência e minha percepção do outro. Cada filme da mostra foi trazendo a memória do tempo vivido com minha filha, no primeiro dia dao filme Into the Shadows – Nas Sombras de Pepe Bonet e Line Hadsbjerg, conta o sofrido dia a dia dos imigrantes, as imagens em preto e branco dos cultos na Igreja Metodista avivou a experiência colorida e multicultural que fazia parte de nossas manhãs de domingo. No segundo dia a música de protesto no filme This is Zamrock de Calum MacNaughton e o ritmo de Mama Goema de Angela Ramirez, Sara Gouveia e Calum MacNaughton, foram suficientes para sentir embalada e revisitar a bela Cidade do Cabo. Ao mediar o filme Miners shot-down Mineiros Abatidos dirigido por Rehad Desai, na terceira noite da mostra juntamente com o antropólogo sul africano Mathew Wilhelm-Solomon e o policial,cientista Social Gabriel Paixão, a dança sul africana toyi-toyi foi o foco da minha contribuição, destaquei três pontos:a) a dança como uma ação não-violenta; b) a dança que cria comunidade; c) a dança que transforma o opressor. Refletindo com Hannah Arendt e sua noção da banalidade do mal, indaguei se uma pessoa que dança/pensa pode fazer o mal? A questão central, no entanto, é quando se esquiva dessa interação consigo mesmo. Pois, essa habilidade de distinguir o certo e o errado, o belo e o feio, pode impedir a ocorrência de catástrofe, ao menos para si mesmo.
Veja alguns vídeos sobre a mostra:

http://www.africandocumentaryfestival.com/